O que acontece ao seu corpo quando deixa de ter relações sexuais

Infelizmente, a falta de sexo afeta mais negativamente as mulheres do que os homens.

Estima-se que em média nos países ocidentais, se pratique sexo 5, 778 vezes durante toda a vida.

Quer isso lhe pareça muito ou pouco, uma coisa é certa – não há quem numa determinada altura da vida não passe por um período de abstinência, quer seja voluntário ou não.

Qual seja a história, a falta de sexo tem consequências no corpo e na mente.

Perde a libido

A sexóloga Sari Cooper, refere: “Grande parte das pessoas que se refrém de qualquer atividade sexual, acabam por sentir cada vez menos desejo. É caso para dizer ‘longe da vista, longe do coração'”.

As paredes vaginais enfraquecem

Isto acontece particularmente às mulheres que estão a passar pela menopausa.

“Sem relações sexuais frequentes, à medida que se envelhece as paredes vaginais ficam mais finas, o que pode provocar dores durante o sexo e dai resultar em cada vez menos vontade de praticar sexo”, explica Cooper.

A North American Menopause Society recomenda que as mulheres pratiquem sexo de penetração vaginal de forma a melhorarem os sintomas gerais da menopausa.

Menos lubrificação

Quanto menos sexo faz menor é a lubrificação, novamente sobretudo entre as mulheres mais velhas.

Com a idade a mulher produz menos estrogénio. “O estrogénio é a hormona responsável pela boa saúde reprodutiva feminina. É normal que aos 20 ou aos 30 anos as mulheres produzam ativamente esta hormona, que mantém as paredes vaginais saudáveis, elásticas e lubrificadas mesmo quando não se pratica qualquer atividade sexual regular”, explica a médica ginecologista Lauren Streicher.

As dores menstruais pioram

Ter relações sexuais antes ou durante o período alivia as dores menstruais.

“O útero é um músculo e muitas mulheres experienciam uma contração uterina quando têm um orgasmo, o que leva à expulsão mais rápida do sangue, o que por sua vez irá atenuar as dores menstruais”, diz Streicher.

“Poderá também dar-se um aumento na produção de endorfinas, o que também irá aliviar as dores”.

PORÉM – corre um menor risco de contrair uma infeção urinária

Haja uma boa (previsível) notícia. As chances de contrair uma infeção urinária ou uma doença sexualmente transmissível decaem drasticamente.

“Devido à partilha de bactérias e germes durante o ato sexual, há uma maior probabilidade de ocorrência de infeções urinárias durante o sexo”, alerta Streicher.