“Já me aconteceu ter medo de sair de casa por sentir vergonha…”

Internacional português assume em entrevista que sente demasiada pressão sobre si. Diz, inclusivamente, que se tornou um inferno em alguns momentos vestir a camisola do Barcelona.

André Gomes é um dos poucos nomes portugueses que vestiu a camisola do Barcelona. O internacional português, colega de Nélson Semedo, está, contudo, a viver um momento complicado. Muito criticado pelas suas exibições, o jovem médio é pressionado para subir de rendimento. Os assobios são constantes e a pressão sobre si é… incomensurável.

Em entrevista à revista Panenka, o internacional luso confidenciou que entrar em campo se tornou numa espécie de pesadelo, tão complicado que, por vezes, o atleta tem dificuldades para sair, inclusivamente, de casa.

Com um discurso claro sobre o que se sucede com o seu futebol, o luso formado no Benfica lembra que nos treinos se apresenta a bom nível, um nível que não é capaz, depois, de meter ’em campo’.

“Não me sinto bem em campo, não estou a desfrutar. Os primeiros seis meses [em Barcelona] correram bem, mas depois as coisas mudaram. Talvez a palavra não seja a mais correta, mas tornou-se um pouco num inferno, porque comecei a ter mais pressão. Com a pressão convivo bem, não convivo bem é com a pressão em mim mesmo”, começa por referir o jogador do emblema catalão.

“Até nos treinos se nota. Aí sabes que estás a sofrer. Talvez tenha jogado no dia anterior ou dois dias antes e ainda tenho aquela imagem do jogo, que não me permite seguir em frente. Nos treinos sinto-me bem com os meus colegas, mas a sensação que tenho nos jogos é má”, explica, antes de dar o relato mais ‘pesado’ da sua experiência.

“Já me aconteceu, em mais do que uma ocasião, não querer sair de casa, porque as pessoas podem olhar-me de lado. Ter medo de sair de casa por sentir vergonha… Incomoda-me que me digam que consigo fazer as coisas bem, porque me pergunto a mim mesmo: ‘então porque não as faço?'”, sentenciou o jovem jogador.